Archive

Posts Tagged ‘religiosidade’

Cristãos Bipolares

(Google Imagens)

Depois de passar por tantos altos e baixos em minha vida espiritual, decidi fazer uma auto-avaliação do meu comportamento, de forma que eu pudesse detectar alguma falha, algum distúrbio, ou mesmo doença psicoteológica.

Então me dei conta de que estava apresentando todas as características de um “cristão bipolar”. Claro, procurei o melhor profissional da área, o Dr. Jesus, que é o Médico por excelência.

Ele me disse que passaria alguns medicamentos e que desde a primeira dose eu já iria sentir diversos efeitos colaterais, mas nada que prejudicasse meu comportamento social; pelo contrário, logo eu perceberia que estaria atraindo mais pessoas para o meu convívio e que, muitos daqueles que me olhavam desconfiados pensando que a qualquer momento eu pudesse surtar, iriam sentir maior segurança em formar vínculos de amizade comigo. Aceitei o desafio e comecei a fazer o tratamento. Hoje praticamente curada, começo a lembrar tudo o que passei. Foram as piores dores da minha vida, pois não eram dores físicas que pudessem ser curadas com qualquer analgésico; eram dores na alma, mas tanto que valeu a pena, que quero compartilhar como foi o tratamento:

Os remédios….

Ao levantar, uma dose de agradecimento por mais um dia de vida! Ao chegar ao trabalho, uma dose de Paz e de hora em hora, uma cápsula de paciência e humanidade. Ao retornar para casa, uma grande dose de amor e antes de dormir duas doses de consciência tranquila.

Os sintomas colaterais….

Dores emocionais, tipo “pressão psicológica”, “tortura chinesa”, “perseguição invisível”, traições, isolamento socio-afetivo, incompreensões, acusações, calúnias, falsos julgamentos, descrédito, etc.

O tratamento….

Em todas as intercorrências, era só chamar o Dr. Jesus, que Ele estava ao meu lado para me orientar, me consolar, para ouvir meus desabafos e aliviar minhas dores, injetando doses de bálsamo de Gileade.

A manutenção….

O Dr. Jesus me alertou, que cura total só terei quando estiver com um corpo glorioso como Ele mesmo possui desde que ressuscitou e retornou aos céus. Assim sendo, entendi que a melhor forma de fazer manutenção constante e segura pós tratamento, é ler diariamente a Bíblia Sagrada e conversar diariamente com meu terapeuta (o mesmo Dr. Jesus)…. e, pasmem, Ele se disponibiliza 24 horas por dia, 7 dias por semana, para todos os que procurarem por Ele. a mente dEle é tão especial, que nunca sobrecarrega e nem entra em parafuso; por maior que sejam os problemas que nos envolvemos nesta vida… creia!! Ele tem a solução!

O pagamento….

Ele nem quis entrar nesse particular, pois apenas me fez lembrar que tudo já foi pago na cruz do Calvário, quando Ele derramou seu sangue para perdoar nossos pecados, Ele também levou sobre si, todas as nossas dores e enfermidades, tanto do corpo, como da alma e também do nosso espírito.

Minha experiência….

Para qualquer tipo de enfermidade, com toda certeza eu RECOMENDO!!!!Pode procurar o Dr. Jesus Cristo!!! Ele é a solução!!!

Resultado dos Meus Exames

 

OBS: Este texto não é um “tratado” sobre a doença “Bipolar” (Transtorno Afetivo do Humor).

Apenas fiz uma comparação do comportamento de quem enfrenta essa doença física, com os cristãos que têm esse tipo de comportamento dentro da Igreja,  e, no sentido espiritual.

Como recebi alguns comentários demonstrando uma certa frustração a respeito, deixo como sugestão o Link:

Minha Vida

que tem informações muito importantes a respeito dessa doença, e você poderá sanar todas as dúvidas a respeito e orientar pessoas que verdadeiramente necessitam de acompanhamento médico.

 
Sonia Valerio da Costa
06/06/2010

Páscoa: o que é, e por que comemorar?

 

(scrap de “Anime Orkut”)

Páscoa é o nome da primeira das três grandes festas anuais celebradas pelos judeus. Foi instituída para comemorar o acontecimento culminante da redenção ou libertação do povo de Israel, que até então estava escravizado pelo Egito. (Êxodo 12:24-27)

Hoje a Páscoa é uma das festas mais importantes dos povos cristãos, porque celebra a ressurreição de Jesus Cristo, três dias após sua morte na cruz. Ele veio trazer vida e quer que todos nós a tenhamos em abundância, não apenas enquanto vivermos nesta vida, mas também na eternidade. Por isso a Páscoa é a festa da vida e da alegria. (I Coríntios 5:7 e João 10:10b)

Presentear as pessoas com ovos de Páscoa é uma tradição anterior ao Cristianismo e ligada ao culto da fertilidade. Na China e nos países da Europa Central, comemoravam a entrada da Primavera e a exuberância da vida; para tanto trocavam presentes entre si e efereciam ovos pintados, de madeira ou de cera. Hoje, o costume é pintar ovos cozidos de galinha. Com o passar do tempo apareceram os ovos e coelhos de chocolate, que fazem a alegria, tanto das crianças, quanto dos adultos.

Sonia Valerio da Costa
03/04/2010

 

(scrap de “Recados da Web”)

Terremoto no Haiti: comentários

(Google Imagens)

Apenas meus comentários sobre a tragédia:

Em 15/01/2010
postado no link: http://iprodigo.com/traducoes/deus-odeia-o-haiti.html/comment-page-1#comment-360

Assim como o sol nasce tanto para os justos, quanto para os injustos, da mesma forma as acomodações geológicas continuarão provocando terremotos, maremotos e tsunamis causando desastres de diversas proporções envolvendo todos os que estiverem presentes no local.
Penso que a questão, está no egoismo do ser humano que se encontra em posição privilegiada e até recebe apoio financeiro para atingir níveis de conhecimento suficiente para se prevenirem, principalmente de terremotos e não compartilham essa tecnologia com os menos favorecidos.
A ajuda humanitária deve chegar antes que a tragédia aconteça, para que não precise ser acionada às pressas depois do acontecido.
Falta no mundo de hoje mais amor fraternal e solidário, pois o ser humano está tão cheio de egoismo, que não tendo em quem jogar a culpa de suas dissimulações, está jogando a culpa em Deus, até mesmo por medo de represálias.
Deus nos deu inteligência para sobrevivermos diante das adversidades da natureza… então porque os países menos favorecidos não estão conseguindo acesso às informações que poderiam salvá-los??
Deixo essa pergunta para reflexão…
Meu desejo é que os corações se abram para receber o amor de Deus, pois é um amor puro, não egoista e nem tendencioso. Seu amor é imensurável, incalculável, incompreensível e inexplicavel, a ponto de enviar seu próprio Filho para nos trazer a mensagem do evangelho de salvação.
Que a Paz de Jesus Cristo, o Amor de nosso Deus Pai, e as consolações do Espírito Santo, possa encontrar lugar para reinar nos nossos corações.
Amém.
Sonia.

Em 16/01/2010
postado no link: http://iprodigo.com/traducoes/deus-odeia-o-haiti.html/comment-page-1#comment-360

No meu ver, agora não seria o momento apropriado para procurar culpados ou inocentes; agora é um momento de solidariedade para com os desafortunados haitianos, lançando sobre eles o bálsamo do conforto e sendo misericordiosos como foi Jesus Cristo.
Para nós que estamos de longe e que podemos ajudar apenas com nossas orações e doações, é um momento apropriado para olharmos para dentro de nós e nos conscientizarmos que não somos nada.
Estamos num momento apropriado para repensarmos nossas atitudes para com os nossos semelhantes.
Quantas vezes temos dificuldades em nos humilhar, em pedirmos perdão a quem nos ofendeu…
quantas vezes postergamos em dar uma palavra de elogio a quem está fazendo sucesso…
quantas vezes negamos o pão aos famintos…
quantas vezes casais que “ainda” estão conseguindo dormir na mesma cama, deitam-se e dormem sem trocar uma palavra, simplesmente porque brigaram por nada e um não quer se rebaixar para o outro…
Nestas poucas frases que representam muito bem o que é a índole do ser humano, é o momento de repensarmos e buscarmos ter a mente de Jesus Cristo que foi misericordioso, que foi esbofeteado, cuspido, ultrajado, desprezado, cruxificado, açoitado… passou sede, fome, canseira, angustia, discriminação, indiferença… e no entanto não abriu a sua boca para exconjurar… Simplesmente fez uma pequena oração: “Pai, perdoa-lhes, porque eles não sabem o que fazem”!!!
Quantas vezes emitimos opiniões precipitadas apenas com a visão superficial que estamos tendo de determinada situação e já queremos emitir julgamentos… isto porque é muito trabalhoso nos aprofundar na questão para encontrar a verdade, e depois dizemos que a justiça é cega…
Nós seres humanos somos assim, eu também sou e preciso mudar….
Ouçamos, todos nós, as palavras de Jesus, quando disse aos seus discípulos: “Aquele que não tiver pecado, seja o primeiro a atirar pedras” ….

De 16 a 19/01/2010
postado no link: http://www.dihitt.com.br/noticia/deus-odeia-o-haiti/comentarios

“Deus é amor.. e o que penso é que Ele tem dado conhecimento ao homem para saber cientificamente como se prevenir dessas tragédias. O problema é que quem detém esse conhecimento, por alguma razão (não vamos aqui entrar nessa polêmica), não está se preocupando em disseminar informações necessárias para se evitar tamanha tragédia como essa, nas áreas terrestres, onde sabemos que são sempre vulneráveis a acomodações das placas tectônicas.”

“Parabéns pela sua prudência em ler o texto todo, antes de fazer qualquer comentário a favor ou contra (que foi apenas indicado por mim e NÃO é de minha autoria). No meu ver, agora não seria o momento apropriado para procurar culpados ou inocentes; agora é um momento de solidariedade para com os desafortunados haitianos, lançando sobre eles o bálsamo do conforto e sendo misericordiosos como foi Jesus Cristo.”

“Concordo que o texto está um tanto complexo, pois foi traduzido do inglês. Mas aconteceu justamente como vc comentou; os comentários foram jogando luz sobre o texto e esclarecendo pontos que estavam um tanto obscuros. Simplesmente foi uma forma diferente de oferecer solidariedade aos sobreviventes do Haiti; o texto só ficou obscuro e comprometido para os leitores que fizeram uma leitura dinâmica e já emitiram opiniões precipitadas a respeito do que o autor estava querendo transmitir.”

“No meu ver, agora não seria o momento apropriado para procurar culpados ou inocentes; agora é um momento de solidariedade para com os desafortunados haitianos, lançando sobre eles o bálsamo do conforto e sendo misericordiosos como foi Jesus Cristo.”

“Percebi que para vc, ainda não está muito clara a questão da existência de um Deus, que com todo o respeito que tenho para com Ele, se analisarmos suas atitudes precipitadamente, poderíamos pensar até mesmo, que Ele possui atitudes de um “bipolar”. Deus é Soberano e único, mas que da mesma forma que nós somos formados de corpo, alma e espírito, Deus também é trino: Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo.
Eles são intrínsecos formando apenas Um Deus. As atitudes divinas que vemos registradas na Bíblia e que tem gerado tanta polêmica entre os seres humanos, principalmente quando acontecem essas tragédias sem precedentes, como no Haiti, deve ser compreendida da seguinte forma:
– Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade. (Leia na Bíblia em João cap. 4 e versículo 24). Antes da vinda de Jesus, Deus (Espírito) se revelava através dos profetas, como Isaías, Jeremias, etc.; aquele tempo Deus agia apenas através de leis, que de um modo geral podemos resumir em “matou, morreu”; cada ser humano pagava seu êrro com sua própria vida.
– Jesus, que quando dizemos que é Filho de Deus, não estamos falando no sentido de ser menor do que Deus Espírito, mas porque Jesus foi a segunda manifestação de Deus: “No princípio era o Verbo, e o Verbo (Palavra) estava com Deus, e o Verbo era Deus. E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.” (leia em João capítulo 1 e versículos 1 e 14). Jesus se encarnou para nos mostrar o lado misericordioso de Deus: “Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.” (Leia em I Timóteo, capítulo 2 e versículo 5). Veja essas palavras que Jesus falou: “E, se alguém ouvir as minhas palavras, e não crer, eu não o julgo: porque eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo.” (Leia em João capítulo 12 e versículo 47)
Concluindo, entendemos que Deus Pai é a manifestação da justiça do Deus Criador, e Deus Filho é a manifestação do amor e misericórdia do mesmo Deus Criador.
– Deus Espírito Santo pode ser entendido como o elo invisível de ligação e comunhão entre Deus e o homem. Seria como entrarmos na “frequência” do Deus Criador. Entenda como se as ondas de uma Emissora qualquer que vc queira acessar esteja passando por vc, onde quer que vc esteja; vc só irá ouví-la, se conectar-se através de um rádio, na frequência determinada pela tal Emissora. O Espírito de Deus sempre esteve conosco, seres humanos, só não tem contato com Ele quem não entra na sua “frequência” (leia: Gênesis capítulo 1 e versículo 2; Lucas capítulo 11 e versículo 13; I João capítulo 4 e versículos 2 e 3; Apocalipse capítulo 22 e versículo 17)
Para terminar, quero ainda dizer que, conversar é muito bom, trocar idéias, opiniões e conhecimento também, mas precisamos entender que somente Deus é o dono da verdade. Por isso, para escolhermos um caminho a seguir em direção a Deus, o melhor é nos aprofundarmos na palavra que Ele mesmo nos deixou; esta é a melhor forma de entrarmos na “frequencia” e na sintonia da Emissora celestial, através do Deus Espírito Santo, pois com certeza ouviremos sua voz a nos dizer: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, se não por mim.” (João capítulo 14 e versículo 6)”

“Também concordo com sua forma de pensar de que Deus nos deu recursos para a nossa sobrevivência, porém está restrito nas mãos de alguns poderosos que não querem compartilhar conhecimento.
Na Idade Média os livros eram acorrentados; hoje são as informações que são boicotadas. Lamentável!”

“Deus nos ama e não se vinga e nem age injustamente com a humanidade.
Mas o homem tem agredido a natureza e agora estamos colhendo frutos das irresponsabilidades cometidas.”

“Deus nos livra nas calamidades, adversidades e tragédias, e não das mesmas. Aí é que se manifesta o poder de Deus.”

“Deus nos deu recursos para a nossa sobrevivência, porém está restrito nas mãos de alguns poderosos que não querem compartilhar conhecimento. Na Idade Média os livros eram acorrentados; hoje são as informações que são boicotadas.”

“Deus não tem culpa nas nossas escolhas. É interessante como o homem facilmente joga a culpa em Deus, quando algo dá errado. Quando dá certo, ele quer a glória para si e ainda se acha auto-suficiente.”

“Importante este seu novo comentário, pois são essas oportunidades que temos de nos conscientizarmos a nós mesmos e nos abrirmos mais para o diálogo. Como fui eu que indiquei esta notícia, acabei sendo bastante alvejada de comentários, mas sinceramente senti prazer em responder um por um, pois essa interatividade não programada, me acrescentou muita informação, o que compensou todo o tempo que gastei, e estou gastando para ler e comentar cada pensamento e cada palavra expressada a respeito deste texto.”

“Agradeço seu comentário, mas se acalme… o ser humano é assim, pelo seu próprio egoismo, quer se justificar apontando o êrro dos outros.. O que será que esse mesmo americano que escreveu esse texto sobre o Haiti, escreveu a respeito de seu próprio povo, quando as torres gêmeas foram derrubadas por aviões suicidas…..? Deus existe sim, mas Ele é amor, é misericórdia. Ele condena o pecado, mas não condena o pecador. Todo pecado destroi o proprio corpo do homem e por fim pode corromper a alma também.
Mas veja que linda mensagem Ele nos deixou: “Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho Unigênito para que todo aquele que nEle crer, não pereça, mas tenha a vida eterna.”

“Gostei da sua forma de expor seu pensamento repudiando algumas idéias que o texto sugere, onde vemos que o ser humano é bastante rápido em querer fazer julgamentos. O que será que esse mesmo americano escreveu a respeito de seu próprio povo, quando as torres gêmeas foram derrubadas por aviões suicidas…..? Eles estão fazendo julgamentos precipitados sobre as tragédias que acontecem em outras nações e não estão analizando a decadência deles próprios. É de causar indignação!!!”

“Independente de qualquer culpa, êrro, castigo, punição, incredulidade, agora não é um momento apropriado para cutucar feridas abertas que estão sangrando no coração dos sobreviventes. Recebi esse texto por e-mail e resolvi indicá-lo aqui no diHITT, justamente porque sabia que suscitaria bastante polêmica. Creio que o autor do texto já deve ter tomado conhecimento e está lhe servindo de experiência. É um texto escrito por um americano e traduzido para o português, por um brasileiro.”

“Creio que o diHITT também tem nos ensinado que a união faz a força.
Aqui estamos aprendendo (pelo menos eu estou) a reivindicar, a denunciar abusos e ofensas. Fico tranquila em perceber que tenho muitos amigos aqui, e também estamos podendo contar com o apoio da administração do site que, com certeza, para se evitar maiores constrangimentos acabou retirando tanto o comentário ofensivo, quanto minha resposta.
Como disse a “K”… vamos semear a PAZ!!!”

“K”, fique tranquila, pois já está tudo em paz!
Aconteceu um deslize ofensivo de um colega nosso, mas já está tudo sob controle. O legal do diHITT é que aqui existe uma grande diversidade de pessoas, de todos os níveis sociais, intelectuais, profissionais, religiosos e comportamentais e temos liberdade de expor nosso pensamento, de debater ou discordar pacificamente de uma idéia, como num fórum de discussão.
Estamos tendo um nível muito grande de aprendizado e, principalmente aprendendo a “ouvir” os outros, mesmo que tenham uma opinião diferente da nossa. Concordo com vc, vamos semear a Paz, mas quando aparece uma arma, mesmo que pequena, precisamos deletá-la, para que não venhamos a ser contaminados com atitudes antiéticas.”

“Este texto proporcionou uma abertura saudável de discussão de idéias e opiniões, que creio que alguns ficaram incomodados no princípio, mas agora penso que nos entendemos e aprendemos bastante com a troca de experiência e de opiniões.”

“Com suas palavras penso que este assunto já foi esgotado. Em resumo, precisamos honrar e adorar Aquele que nos criou como seres racionais e que também nos deu fôlego de vida; devemos também respeitar a natureza que também foi criada por Ele para nos oferecer subsidios para nossa sobrevivência.  Se o homem respeitasse esse equilíbrio ecológico teria evitado muitas tragédias provocadas pela natureza.”

“Creio que amadurecemos com o aprendizado de discordar sem ofender e também aprendemos tanto a ganhar, quanto a perder num forum de discussões. Ninguém é dono da verdade. Quem é que conseguiu durante a vida toda manter uma mesma opinião a respeito de determinada coisa??!!!!
Não me refiro a possibilidade de passar de um oposto a outro, mas me refiro principalmente às acomodações sociais que nos levam a adaptar conscientemente nossas opiniões, pois com um diálogo sadio, o nosso oponente acaba nos levando a visualizar pontos que sozinhos, não conseguimos enxergar ou entender. Eu também quero encontrá-la numa nova discussão bem acalorada como foi esta. Creio que todos os que participaram estão de parabens pela coragem de expor suas palavras, comentários, e opiniões.”

“Quero agradecer todos meus amigos dihitianos, pois me proporcionaram compor um Post, somente de respostas aos seus comentários.”


Em 16/01/2010
postado no link: http://elianderson.wordpress.com/2008/09/22/aqui-nao-tem-terremoto/#comments

“Aqui no Brasil, as catástrofes tem outra “cara”… mesmo assim não podemos sequer comparar o paraíso em que vivemos, com uma situação tão desoladora como nos mostram as fotos… Oremos por esses sobreviventes, mutilados em todos os sentidos.” 

Em 06/02/2010
postado no link: http://noticias.terra.com.br/mundo/fotos/0,,OI114675-EI294,00-Veja+fotos+do+terremoto+de+graus+no+Haiti.html

“E se alguém ouvir as minhas palavras, e não crer, eu não o julgo: porque eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo.” (Jo.12:47)

Com este texto bíblico, quero alertar a todos que estão fazendo julgamentos desnecessários que, se nem Jesus Cristo, sendo Filho de Deus, disse que não veio para julgar o mundo, quem somos nós para fazê-lo??? Quem somos nós para dizer o que Deus está pensando ou deixando de pensar???

“Não julgueis para que não sejais julgados” (Palavras de Jesus em Mt. 7:1)

Usemos de misericórdia não somente em atitudes mas também em palavras. Agora é o momento de sermos canal de Deus para levarmos bálsamo, amor e solidariedade àquele povo sofrido; é momento de “lavarmos seus pés”, pois assim eles compreenderão o que é ser verdadeiramente um cristão que se diz ser “filho de Deus”. 

Sonia Valerio da Costa
16/01/2010 (Atualizado em 06/02/2010)

Ano-Novo (1º de Janeiro)

 

(Google Images)

Em 1º de janeiro comemora-se o Dia da Paz e da Confraternização Universal. No Brasil, em 14 de janeiro de 1889, o 1º dia do ano, foi declarado Feriado Nacional logo após a Proclamação da República. A escolha deste dia para tal comemoração se deve ao fato de que cada início de ano vem acompanhado de votos de saúde e de prosperidade, garantias de paz e solidariedade universal. Essa comemoração acontece em todas as culturas que têm calendários anuais e que seguem o calendário gregoriano. 

Essa tradição ocidental de comemorar o fim de um ano e o início do ano seguinte tem origem num decreto do governador romano Júlio César, que fixou o 1º de janeiro como o Dia do Ano-Novo em 46 a.C.; eles dedicavam esse dia a Jano, o deus dos portões. O mês de Janeiro, deriva do nome de Jano, que tinha duas faces: uma voltada para frente e a outra para trás.

Na cultura ocidental, a Comemoração do Ano-Novo, tem início na chamada Véspera de Ano-Novo, que refere-se ao dia 31 de Dezembro e estende-se até o dia 1º de janeiro do ano seguinte.  Tradicionalmente fazemos uma ceia no último dia do ano, para aguardar a chegada do Ano-Novo. À meia-noite faz-se uma queima de fogos de artifício. Esse evento é também chamado réveillon, do verbo réveiller, que em portugues significa “despertar”.

(Google Imagens – Paris 2010)

No último dia do ano, também acontece a São Silvestre que é a corrida mais tradicional do Brasil. A primeira Corrida de São Silvestre aconteceu à meia-noite do dia 31 de dezembro de 1924. Naquela época as corridas eram praticadas de forma muito esporádica e, praticamente, só no interior de São Paulo. Foi quando o jornalista Cásper Líbero inspirado numa corrida que assistira na França, na qual os corredores carregavam tochas, deu início à corrida mais famosa do Brasil, que desde então é disputada de forma ininterrupta na capital paulista.

(Google Images – Corrida de São Silvestre)

Cada cultura comemora seu Ano-Novo de uma forma peculiar. A primeira comemoração ocorreu na Mesopotâmia por volta de 2.000 a.C. e era conhecida como “Festival de Ano Novo”. Na Babilônia, a festa começava na primavera por ocasião do equinócio, ou seja: no ponto ou momento em que o Sol corta o Equador, fazendo com que os dias sejam iguais às noites. No calendário atual, isto ocorre em meados de março (mais precisamente em 19 de março, data em que os espiritualistas comemoram o Ano Novo esotérico). Os assírios, persas, fenícios e egípcios comemoravam o Ano Novo no mês de setembro (dia 23). Já os gregos, celebravam o início de um novo ciclo entre os dias 21 ou 22 do mês de dezembro. Os romanos foram os primeiros a estabelecerem um dia para a comemoração desta grande festa (753 a.C.). O ano começava em 1º de março, mas foi trocado em 153 a. C. para 1º de janeiro e mantido no calendário juliano, adotado em 46 a.C. Em 1582 a Igreja Católica consolidou a comemoração, quando adotou o calendário gregoriano.

No Japão, o Ano-Novo é comemorado do dia 1º ao dia 3 de janeiro. Para todos os chineses o Ano-Novo é comemorado entre 15 de Janeiro e 15 de Fevereiro, de acordo com a primeira lua nova depois do início do Inverno (na China). Têm o hábito de limpar a casa e fazer muita comida (Bolinhos Chineses de Ano Novo – Yau Gwok, símbolo de prosperidade). Durante os festejos, realizam desfiles e shows pirotécnicos, e as ruas ficam cobertas de pequenos pedaços de papel vermelho. 

O Calendário judaico ou hebraico   é um calendário do tipo lunar baseado nos ciclos da Lua, composto alternadamente por 12 ou 13 meses de período igual ao de uma lunação, de forma que, o primeiro dia de cada mês é sempre o primeiro dia de lua nova. Nos tempos bíblicos a determinação dos tempos era realizada pela observação direta de testemunhas designadas para este fim, método seguido pelos Caraítas até os dias de hoje, os quais determinam o primeiro mês do ano como Abib. Dessa forma, os judeus têm um calendário próprio para comemorar o Ano-Novo (Rosh Hashaná), também conhecido como “Festa das trombetas”. Essa festa é móvel, dura dois dias e ocorre entre os meses de setembro e início de outubro do calendário gregoriano. Em 2009, entraram no ano de 5770. As comemorações anunciam a chegada do novo ano e são oportunidades para se deliciar com as tradicionais receitas judaicas: o “Chalah”, (espécie de pão) e também é costume sempre se comer peixe, porque ele nada sempre para frente.

Os islâmicos ou muçulmanos, têm seu próprio calendário que se chama “Hégira”(em árabe, emigração). É um calendário lunar composto por doze meses de 29 ou 30 dias com um total de cerca de 354 dias. A contagem do tempo deste calendário começa com a Hégira – a fuga de Maomé de Medina para Meca, em 16 de julho de 622 d.C. do nosso calendário. O mês começa quando o crescente lunar aparece pela primeira vez após o pôr-do-sol. Tem cerca de 11 dias a menos que o calendário solar. Este calendário não corrige o fato de o ano lunar não corresponder ao ano solar. Deste modo, os meses islâmicos retrocedem a cada ano que passa; eles mudam-se em relação ao Calendário Gregoriano. Uma vez que o calendário islâmico é cerca de 11 dias mais curto que o calendário solar, os feriados muçulmanos acabam por circular por todas as estações.

O calendário tibetano é um calendário lunisolar e é composto de 12 ou 13 meses lunares; cada um começa e termina com uma lua nova. Losar (Ano-Novo) começa no primeiro dia do primeiro mês. Nos mosteiros, as comemorações do Losar início no vigésimo nono dia do décimo segundo mês. Esse é o dia antes da véspera do Ano Novo tibetano. Em muitas partes do Tibete, Losar é comemorado por quinze dias ou mais. Em 2009 iniciou-se o ano 2136 tibetano, ano do Boi da Terra. Na Índia, é celebrado durante três dias. Nas celebrações de outros países podem ser tão pouco como um dia. O Losar também é comemorado em todo o Himalaia, na Índia, bem como, onde há uma forte concentração da população budista. Especificamente no período do losar (ano novo tibetano), as danças são realizadas para evitar que qualquer escuridão, distúrbios ou energias negativas do ano que passou sejam levados para o ano seguinte. Realizadas com máscaras e roupas esplêndidas, elas celebram a aspiração de que a paz e a harmonia aumentem para todos os seres.

(Google Images – Ano Novo no Tibet)

O Cristianismo não comemora o Ano-Novo como um evento ligado à religião. Realizam festividades relacionadas à passagem de ano para agradecer a Deus pela vida concedida e se voltam para uma meditação e reflexão sobre si mesmos. Confraternizam-se com familiares e amigos com atitudes de perdão, reconciliação, buscando em Deus, esquecer as ofensas, mágoas e dissabores vividos no ano que se finda. Buscam propósitos de entrarem no novo ano, melhorando seus comportamentos e atitudes para com o próximo.

(Reveillon 2010 em Copacabana/Brasil)
“Não que eu já tenha obtido tudo isso ou tenha sido aperfeiçoado, mas prossigo para alcançá-lo, pois para isso também fui alcançado por Cristo Jesus. Irmãos, não penso que eu mesmo já o tenha alcançado, mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante, prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus.. Todos nós que alcançamos a maturidade devemos ver as coisas dessa forma, e, se em algum aspecto vocês pensam de modo diferente, isso também Deus lhes esclarecerá.” (Bíblia Sagrada – Palavras do Apóstolo São Paulo aos Filipenses 3:12-15)

 

Sonia Valerio da Costa
26/12/2009

 

Você poderá gostar também de:
Mensagem de Ano Novo (Leticia Thompson)

Natal (25 de Dezembro)

 

O Natal é a maior festa do calendário cristão, quando se comemora o nascimento de Jesus Cristo, Filho de Deus. Porém, em outras religiões, o Natal não tem nenhum significado marcante. Muitas pessoas, mesmo não religiosas, aproveitam o clima de festa e confraternização e reunem-se com amigos e familiares, celebrando a amizade, a paz, a reconciliação e o amor.

 

SIGNIFICADO DO NATAL EM ALGUMAS RELIGIÕES:

Budismo: O Natal cristão não é marcado no calendário budista e nem comemorado nos seus templos budistas. No Budismo se comemora o Vesak, quando é lembrado o nascimento, iluminação e morte do príncipe indiano Sidharta Gautama, o Budha; essa comemoração acontece na Lua Cheia no mês de Maio.

Judaismo: O Natal, como comemoração do nascimento de Jesus Cristo, não existe para os judeus. Eles estão embasados apenas no Velho Testamento (primeira parte da Bíblia), que vem antes de Cristo, e acreditam que o Messias ainda não chegou. Reconhecem Jesus apenas como uma pessoa importante para o mundo.

Islamismo (Muçulmanos): Os Islâmicos respeitam a comemoração do Natal, mas a data não tem significado religioso para eles. Jesus é apenas mais um profeta para os muçulmanos. A religião islâmica (ou muçulmana) tem Jesus Cristo como um dos seus cinco principais profetas, ao lado de Abraão, Noé, Moisés, e Mohamad (ou Maomé), este último, a principal figura do islamismo, para quem teria sido revelado o Alcorão (ou Corão), o livro sagrado da religião. Jesus é citado 19 vezes no Alcorão. “Allah – Sao La Ilaha Ila Allah (não há divindade a não ser Allah – frase dita como testemunho à existência de Allah, um dos cinco pilares da religião) – descreve Jesus no seu sagrado Alcorão como um dos cinco maiores profetas, apesar de Allah – Sao La Ilaha Ila Allah – ter enviado mais de 124 mil profetas. Os cinco maiores profetas são: Abrahão, Noé, Moisés, Jesus e Mohamad. Esses são os profetas que mais se sacrificaram pela causa de Allah – Sao La Ilaha Ila Allah. Jesus, então, é reconhecido como um dos grandes profetas. Não há diferença entre um profeta e outro.

Hare Krishna: O Natal é considerado como o nascimento de uma grande personalidade, no caso, Jesus Cristo, que foi uma alma enviada a este mundo, com a missão de preservar valores religiosos e morais e proteger a sociedade humana da degradação. Não consideram o Natal como o nascimento de Deus, pois acreditam que Krishna (Deus adorado por essa religião) , encarnou por diversas vezes na terra. Comemoram o Natal como uma celebração de paz e do amor divinos, tanto em família, como com outros devotos de Krishna.

Espiritismo: O importante no Natal, não é o dia em que é comemorado, mas a razão de se comemorar. Se reunem com irmãos entre diversas religiões, para reavivar os ensinamentos de Jesus: perdão, amor e caridade. Entendem que o Natal deveria ser uma filosofia de vida e não uma data a ser comemorada. Apesar de se reunirem, fazerem ceia e trocar presentes, se esforçam para não cairem no consumismo e se lembrarem mais do Papai Noel do que de Jesus.

Catolicismo: Celebrar o Natal significa comemorar o nascimento de Jesus que veio para nos trazer paz; essa data se tornou de fundamental importância para o cristianismo. Ao longo da história, devido à onda excessiva de consumismo, o sentido principal dessa festa foi se perdendo. As Dioceses estão fazendo campanhas para que seja resgatado o real significado do Natal, reforçando a figura do menino Jesus como centro da festa, em detrimento do Papai Noel que representa apenas o sentido comercial da comemoração.

Cristianismo evangélico: O Natal significa o nascimento de Jesus, que marca o início de uma nova era, que traz esperança, libertação, perdão, paz e uma nova vida com Deus. É considerada uma das mais importantes celebrações; em todos os Templos são realizados cultos de adoração e agradecimento a Deus por ter enviado Seu Filho Jesus Cristo ao mundo, como forma de resgatar, salvar e restaurar a comunhão entre Deus e o homem. Jesus é considerado como a terceira pessoa da Trindade e não apenas um grande Profeta. Além de se comemorar o nascimento virginal de Jesus que marcou o início de uma nova era, é lembrado também, que todo ser humano pode, simbolicamente, oferecer seu coração, como uma manjedoura, para que nele, Jesus  possa nascer espiritualmente, proporcionando uma nova vida de paz e alegria, dando a certeza de salvação. Os evangélicos costumam se reunir em família e com amigos. Também trocam presentes, porém, tudo é feito com modéstia e sem extravagâncias.

SIGNIFICADO DOS SÍMBOLOS DE NATAL:

A árvore: representa a vida e significa alegria, paz e esperança.

As bolas: por seu formato e pelo colorido, simbolizam o fruto da árvore da vida.

Anjos: são os mensageiros de Deus que anunciam a paz. Convidam as pessoas a exercerem a função de mensageiros da alegria.

Arranjos secos: o que está seco é porque não tem vida. Portanto sempre que estivermos longe de Jesus, estaremos secos, pois só Ele é a Vida e comunica Vida. Jesus veio a té nós para que tudo se desenvolva e tudo tenha vida.

Balas e bombons: simbolizam a doçura das palavras divinas, a doçura de participar de sua Igreja, vivendo sua Palavra: Jesus Cristo.

Cartões de Natal:  Costume que faz parte do aspecto social e cortês, através do qual se registram as mais variadas mensagens e votos de Boas Festas aos amigos, mesmo que muito distantes.

Estrela de natal: guiou os três reis magos até o local de nascimento do menino Jesus.

Sinos de Natal: representa o anúncio para a humanidade do nascimento de Jesus Cristo, o Salvador.

Guirlanda: usada como enfeite nas portas de entrada das residências na época do Natal.

Ceia natalina: A ceia é um ato cheio de significados. Na História da Humanidade a mesa tem sentido profundo de ser um lugar de celebrações, de confraternização.

O presente: alguns autores dizem que os presentes simbolizam o presente que Deus nos deu com o nascimento de Jesus.
Presépio: representa uma importante decoração natalina, pois mostra o cenário do nascimento de Jesus, ou seja, uma manjedoura, os animais, os reis Magos e os pais do menino.
Velas: as velas simbolizam a luz das estrelas que guiaram os Reis Magos.

Papai Noel:  inspirado num bispo chamado Nicolau, que nasceu na Turquia em 280 d.C.; homem de bom coração que costumava ajudar as pessoas pobres, deixando saquinhos com moedas, próximo às chaminés das casas. 

Nome do Papai Noel em outros países:

Alemanha (Weihnachtsmann, O “Homem do Natal”),

Argentina, Espanha, Colômbia, Paraguai e Uruguai (Papá Noel),

Chile (Viejito Pascuero),

Dinamarca (Julemanden),

França (Père Noël),

Itália (Babbo Natale),

México (Santa Claus),

Holanda (Kerstman, “Homem do Natal),

Portugal (Pai Natal),

Inglaterra (Father Christmas),

Suécia (Jultomte),

Estados Unidos (Santa Claus),

Rússia (Ded Moroz).

CANÇÕES DE NATAL:

Noite Feliz

Noite feliz, Noite feliz,
O Senhor, Deus de amor,
pobrezinho nasceu em Belém.
Eis na lapa Jesus, nosso bem.
Dorme em paz, oh Jesus.
Dorme em paz, oh Jesus.

Noite de paz! Noite de amor!
Tudo dorme em redor,
entre os astros que espargem a luz,
indicando o Menino Jesus.
Brilha a estrela da paz.

Noite de paz! Noite de amor!
Nas campinas ao pastor,
Lindos anjos mandados por Deus,
Anunciam a nova dos céus;
Nasce o bom Salvador!

Noite de paz! Noite de amor!
Oh, que belo resplendor
Ilumina a o Menino Jesus!
No presépio, do mundo eis a luz,
Sol de eterno fulgor!

Anoiteceu

Anoiteceu, o sino gemeu, e a gente ficou, feliz a rezar. 
Papai Noel, vê se você tem, a felicidade, prá você me dar. 
Eu pensei que todo mundo fosse filho de Papai Noel. 
Bem assim felicidade, eu pensei que fosse uma brincadeira de papel. 
Já faz tempo que pedi, mas o meu Papai Noel não vem. 
Com certeza já morreu ou então felicidade é brinquedo que não tem.

Bom Natal 

Quero ver você não chorar, 
não olhar pra traz, 
nem se arrepender do que faz. 

Quero ver o amor vencer,
mas se a dor nascer você resistir e sorrir. 

Se você pode ser assim, 
tão enorme assim, eu vou crer. 
Que o Natal existe, que ninguém é triste, 
que no mundo há sempre amor…
Bom Natal, um feliz Natal, 
Muito amor e paz, pra você. 
Pra você…

Jingle Bells

Hoje a noite é bela Juntos eu e ela
Vamos a capela Felizes a rezar.

Ao soar o sino Sino pequenino
Vem o Deus-Menino Nos abençoar.

Bate o sino pequenino sino de Belém
Já nasceu o Deus menino para o nosso bem!

É Natal, é Natal sininhos de luz!
Replicai, badalai que nasceu Jesus!
Paz na Terra pede o sino alegre a cantar!

Abençoe, Deus Menino sempre o nosso lar!

Alegria de Natal

Pinheirinhos que alegria, trá lá lá
Sinos tocam noite e dia, trá lá lá
É Natal que vem chegando, trá lá lá
Vamos pois cantarolando, trá lá lá
Mais um ano vai se embora, trá lá lá
Outro chega sem demora, trá lá lá
Tudo é festa é brincadeira, trá lá lá
Viva a gente prazenteira, trá lá lá…………

Anoiteceu

Anoiteceu, o sino gemeu, a gente ficou, feliz a rezar.

Papai Noel, vê se você tem, a felicidade prá você me dar.

Eu pensei que todo mundo fosse filho de Papai Noel.

Bem assim felicidade, eu pensei que fosse uma brincadeira de papel.

Já faz tempo que pedi, mas o meu Papai Noel não vem.

Com certeza já morreu ou então felicidade é brinquedo que não tem.

Outras canções natalinas:

Músicas Portuguesas de Natal

Canções Extrangeiras de Natal

Mensagem de Natal:

Um presente diferente (Lethicia Thompson)

Fontes: “Veja São Paulo (9 de dezembro de 2009) – Informe Publicitário: Natal” e Internet.

Sonia Valerio da Costa
22/12/2009

 

Bons Samaritanos

(Google Imagens)

“Comecei a andar sem rumo; havia perdido minha identidade. A fome apertava e tudo que conseguia comer, não era suficiente para manter meu peso. Fui emagrecendo, perdendo a disposição e meu semblante já não era o mesmo.

Há alguns dias atrás, me ofereceram comida e água à vontade; dessa vez consegui me alimentar suficientemente, mas quando pensei em agradecer, já não vi mais ninguém. Voltei a andar; andar sem rumo, pois essa era a única atividade que me distraia.

De repente, comecei a transpirar; será que havia comido demais? Não conseguia entender o que estava acontecendo comigo. Sentia algo estranho percorrendo meu corpo; um tremor e uma fraqueza foram tomando conta de minhas pernas.

A preocupação de que eu pudesse desmaiar em algum lugar que não houvesse ninguém, fez com que eu reunisse todas as forças que ainda me sobravam para encontrar um lugar de um considerável número de pessoas passando. Foi então que me ocorreu a idéia de subir as escadas da Estação de Metrô Corinthians-Itaquera. Caminhei pela estação e o melhor lugar que encontrei, foi diante de uma das catracas de acesso às plataformas de embarque. Ali mesmo, sem forças mais para reagir, entreguei-me à minha canseira e deitei-me ali mesmo no chão. Com certeza, alguma das pessoas que passassem por ali, teria compaixão de mim e me levaria para sua casa.

Para minha decepção, ninguém se importava comigo; as pessoas passavam apressadas por cima de mim, como se eu fosse um monte de lixo que os funcionários ainda não tivessem recolhido. 

Os minutos foram se passando. Para mim eram minutos intermináveis e, o pensamento de que alguém seria solidário com a minha situação, já estava se desvanecendo, quando vi um segurança aproximar-se de mim; tocou-me com o pé para ver se eu reagiria de alguma forma. Ao perceber que eu já não tinha mais forças para reagir, com o cacetete foi me empurrando para fora da Estação.

Compreendi que minha vida havia chegado ao fim, pois não me restava mais nenhuma alternativa de ser recolhido por alguém. Fui me arrastando, até que num canto qualquer, pude ficar em paz. Pude perceber que as pessoas que passavam, estavam tão mais preocupadas com seus problemas pessoais, que em seus corações não havia espaço para serem solidárias com o meu sofrimento.

Afinal, quem iria se preocupar com um ser irracional e ainda enfermo?”

Quando fui licenciar meu carro, presenciei esta cena e foi difícil conter minha emoção. Lembrei-me daquele “homem que descia de Jerusalém para Jericó, e acabou caindo nas mãos dos salteadores, os quais o despojaram, e espancando-o, se retiraram, deixando-o meio morto”. (Lc. 10:30)

Depois disso passaram por ali, vários religiosos; todos olharam de longe e nada fizeram. Em seguida, passou um homem de Samaria, e diante daquela cena, logo imaginou o que havia acontecido. Movido por uma íntima compaixão, aproximou-se, e deu-lhe os primeiros socorros; higienizou suas feridas e cobriu-as para que não infeccionassem. Sem mesmo conhecê-lo, tomou aquele homem nos braços e o colocou sobre sua cavalgadura.

Seguiram pelo caminho até que chegaram numa estalagem, onde esse samaritano pode cuidar melhor daquele homem ferido. No dia seguinte ele partiu, mas antes, deixou uma importância em dinheiro, para que o dono da estalagem pudesse dar continuidade ao tratamento; afirmou que quando voltasse, cobriria os gastos que ultrapassassem o valor disponibilizado.

Fazendo um paralelo entre o fato que presenciei, com essa parábola proferida por Jesus, quero refletir, juntamente com você, quantas vezes passamos por situações semelhantes e não encontramos ninguém que possa nos ajudar, principalmente para curar as feridas da nossa alma, das nossas emoções e os conflitos que torturam nosso pensamento.

Assim que puder, leia essa parábola em Lucas cap. 10: de 25 a 37. Você poderá entender mais claramente, porque Jesus se comparou a esse “Bom Samaritano”. Ele está sempre à disposição para cuidar de nós. Muitas vezes não somos curados, porque não estamos procurando a pessoa certa. Somente Jesus pode curar nossas feridas internas, sem dizermos uma palavra sequer, porque, quando fomos feridos, Ele estava contemplando. Ele poderia ter evitado todas as situações constrangedoras que já passamos, mas não o fez, para que nossa personalidade pudesse ser moldada através do Seu amor.

Abra agora seu coração e renda-se a Ele. Diga-lhe que você quer conhecê-lo. Creio que vendo o propósito do seu coração, Ele passará a cuidar de você de uma forma tão especial, que nunca mais você pensará em se afastar dEle. Pelo contrário, seu coração se abrirá cada vez mais para Ele, até desejar uma entrega total, dizendo: “Jesus, até aqui tenho te conhecido como amigo, mas sabendo que tu és Deus, quero que tu sejas meu Senhor e também Salvador da minha alma”.

Após essa entrega total, sua alma será invadida de uma Paz celestial, pois terá a certeza que o Deus do impossível estará cuidando de você.

                                                                                   (Google Imagens)

Você vai gostar também de: “Diário de um cão”

Sonia Valerio da Costa
16/11/2009

 

LIBERDADE VERDADEIRA

 “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” João 8:32 e 36

voo-noturnoUm dos temas mais discutidos neste novo milênio tem sido a liberdade de pensamento, de expressão e de idéias, e porque não dizer também da liberdade de filosofias e de religiões.  Desde sempre, o homem lutou para conseguir sua liberdade, tanto individual quanto coletiva.  É inerente ao ser humano, buscar sempre uma posição de liderança ou de controle sobre os que estão ao seu redor, para não ser apenas um subordinado; seu desejo é alcançar sua auto-suficiência tentando chegar ao mesmo patamar divino, pois acredita que, como detentor desse poder, poderá usufruir maior liberdade.  A prática mostra o contrário; quanto maior o poder de decisão e responsabilidade, menor a liberdade para fazer o que se quer ou o que se tem vontade.

Se refletirmos sobre essa expressão proferida por Jesus Cristo, “a verdade vos libertará”, com certeza, nossa resposta seria a mesma dada por seus discípulos: “nunca servimos a ninguém; como dizes tu: sereis livres?” (João 8:33).  Para os discípulos, o ser livre, só poderia estar relacionado à liberdade física de alguém que estivesse em prisão.

O próprio texto mostra que a “verdade” é o próprio Jesus Cristo; agora, quanto a “liberdade”, o que o Mestre estava querendo transmitir? O dicionário “Aurélio” nos oferece três explicações para a palavra “liberdade”: 1) poder de agir, no seio de uma sociedade organizada, segundo a própria determinação, dentro dos limites impostos por normas definidas; 2) faculdade de praticar tudo quanto não é proibido por lei; 3) liberdade não é libertinagem.  Quanto a “libertinagem” o mesmo dicionário define como sendo “devassidão, desregramento, licenciosidade”.

Os escribas e fariseus, contemporâneos de Jesus, já viviam esse tipo de liberdade definida gramaticalmente; tanto, que eram respeitados por todos dentro da sociedade em que viviam.  A qual libertação Jesus se referia, então?  Ele queria libertá-los, principalmente, da escravidão da religiosidade, mas naquele momento eles não conseguiram compreender a essência do discurso do Mestre.  Apenas praticavam a Lei de Moisés com um zelo extremo, pensando que com isso alcançariam a salvação; essa obsessão levou-os a perder a visão da verdadeira mensagem do Evangelho de Jesus Cristo, que já havia sido anunciada pelos profetas. Leia mais…