Arquivo

Archive for outubro \26\UTC 2009

Meus pensamentos (3)

(Google Imagens)

“O pedido de perdão tem efeito boomerang. Deve ser feito com coração sincero, pois sempre retornará com velocidade dobrada.” (25/10/2009)

“Nossas expressões serão sempre fundamentadas em: vivência, convivência, experiência, observância, humor e disposição física.” (03/10/09)

 “A comunicação virtual passou pelas seguintes fases: curiosidade, utilidade, praticidade, necessidade, rapidez, segurança e solidão.” (18/10/09)

“Hoje, apesar da solidão, a comunicação virtual se tornou uma questão de sobrevivência.” (18/10/09)

“Pela sobrevivência, deixamos de cultivar os valores sociais, como: amor, solidariedade, fraternidade, respeito, limites pessoais, união familiar.” (18/10/09)

“O ‘colo’ que a família representava, está quase em extinção. Para compensar a ausência desse calor humano, o homem se fez máquina a si mesmo.” (18/10/09)

“A máquina escravizou o homem e o resultado dessa robotização fez com que o ser humano se tornasse insensível, desumano, anti-social, egoista e mais amante de si mesmo.” (25/10/2009)

“Onde o respeito? Onde a obediência? Onde o bom senso? Onde a sinceridade? Onde o equilíbrio entre direitos e deveres? Onde a justiça?” (15/10/09)

“Quando compartilhamos o que nosso cérebro processa durante uma leitura, ampliamos nosso conhecimento e amadurecemos nossos relacionamentos.” (24/10/2009)

“O ser humano adquire experiência e cresce no conhecimento, quando se dispõe a não só ensinar, mas também a aprender.” (25/10/2009)

Sonia Valerio da Costa
(25/10/2009)

Você poderá gostar também de: Provérbios Evangélicos dos Americanos

Anúncios

O equilíbrio dos tempos: Chronos X Kairós

  (Eu uso Google Imagens)                       

Às vezes me pergunto. “Por quê existem sonhos que conseguimos realizar rapidamente e outros parecem que se distanciam de nós, a ponto de pensarmos que serão inatingíveis?”

Refletindo sobre esse assunto entendi que nós só conhecemos o Chronos, que é nosso tempo cronológico. Já o Kairós, que é “o tempo de Deus”, é um momento indeterminado dentro do Chronos, em que algo especial acontece.

Por seu cuidado para conosco, Deus monitora o tempo de realização dos nossos sonhos; somente Ele sabe quando estamos suficientemente estruturados para vivenciá-los, ou não.

Esse monitoramento divino pode ser comparado a um pêndulo qualquer, que busca o seu equilíbrio. Ele para somente quando estiver em total sintonia com a lei da gravidade. Isso só vai acontecer depois que o pêndulo passar pelo ponto “zero”, tantas vezes quantas forem necessárias, até que sua posição forme um ângulo de 90° com o chão. 

Entendo que o tempo que o pêndulo gasta, para  estabilizar-se no ponto “zero”, é o período de desencontros que passamos em nossa vida; parece até, que não conseguimos alcançar o que desejamos, porque estamos sempre no lugar e na hora “errada”.

Esse tempo de desencontros também pode ser comparado a uma balança, aonde vamos colocando pesos do lado oposto ao produto a ser pesado, até que esteja equilibrada.

Sabendo então, que o Kairós de Deus está acima do nosso Chronos, precisamos aguardar com serenidade até que esses dois tempos estejam em sintonia, caminhando na mesma frequencia.

Como Deus está no controle de todas as coisas, quando isso acontecer, estaremos preparados para conhecer novos horizontes e vivenciar os sonhos que antes pareciam inatingíveis. Devemos apenas ficar  alertas e preparados emocionalmente, para quando esse momento chegar!

Até que os tempos se equilibrem, vamos vivendo!… 

“Se não entendemos o tempo, nos tornamos vítimas dele.” (Gleick)

 
Sonia Valerio da Costa

(24/10/2009)

Renascendo em meio aos cacos

 (googles imagens)

Comecei a recordar as histórias contadas por meu avô, quando ainda estava em meus primeiros anos de vida. Ele sempre me trazia relatos de nossos parentes, tanto próximos, quanto distantes. Lembro-me que suas histórias eram tão empolgantes que meus olhos, de tão fixos, pareciam que iriam saltar das órbitas, principalmente quando falava de nossos antepassados.

Entendi que aquele momento de recordações me ajudaria a enfrentar essa nova fase de minha vida, que eu iria ainda vivenciar. O que aconteceriria em minha vida, estava muito além de minha vontade e até mesmo de meu conhecimento. Tinha consciência que acontecesse o que acontecesse, eu não poderia opinar nem interferir em nada do que pudesse acontecer comigo. Pensava que por ter vivido bastante,  meus dias de glória haviam chegado ao fim.

Não saberia prever o final de tudo aquilo e muito menos aonde eu chegaria. No lugar que vivera até então,   juntamente com outros amigos meus, pudemos conhecer muitas pessoas ilustres e presenciar diversas conversas diplomáticas durante os coffe-breaks, segredos internacionais e muitas decisões que comprometeriam até a vida de muitos inocentes. Porém, todos poderiam ficar totalmente tranquilos quanto aos segredos ali compartilhados, pois sabiam que nossa presença não ofereceria perigo algum e que poderiam confiar totalmente em nós.

Agora, estávamos sendo levados a uma espécie de revisão; ali encontramos muitos de nossos parentes, com os quais  pudemos compartilhar nossas experiências. Uns estavam sendo formados pela primeira vez; outros, como era o nosso caso, estavam ali para que fossem refeitos e, conforme ficasse nossa aparência final, seria decidido em qual lugar e/ou posição passaríamos o resto, ou então mais uma etapa, de nossas vidas.

Chegou a minha vez de ser trabalhado. Não me lembrava mais do que havia acontecido comigo quando fora feito pela primeira vez; mesmo porque, eu ainda não tinha experiência de vida; melhor dizendo, eu nem sabia o que era vida.

Quebraram-me…juntaram todos os meus cacos, que foram passados por cilindros e, em pedaços, colocaram-me de molho em água. Depois, através do processo de drenagem, tiraram toda a sujeira que, com o passar do tempo,  havia sido impregnada no meu corpo; depois disso, já bem amolecido, fui sovado (amassado, enrolado e esticado) por várias vezes. Dores?… já nem sabia mais o que era sentir dor, pois naquela situação eu já estava como que anestesiado; depois eu entenderia que aquele processo que seria meu renascimento, estava apenas começando!

Aquela massa informe que um dia havia sido meu corpo,  foi introduzida na maromba através de uma rosca helicoidal; em seguida, através de um processo a vácuo, essa máquina extraiu de mim todo o ar que eu pudesse apresentar, decorrente do processo de drenagem e sovagem. 

Agora que  meu corpo já apresentava perfeita homogeneidade, automaticamente a máquina cortou algumas sobras e deixou-me num formato de cilindro. Dali me levou para o torno onde ficaria na total dependência do oleiro para formar-me um novo vaso. Quando o torno começou a girar, o oleiro colocou levemente suas mãos habilidosas sobre mim e começou a moldar-me.  Percebi que eu estava recebendo uma nova forma de vaso, muito diferente da anterior. O tempo que fiquei ali, girando sobre o torno foi tão extenso que acabei perdendo os sentidos várias vezes. 

Terminado mais esse processo, o oleiro desenhou em meu corpo, vários detalhes com creme de argila; deixou-me descansar um pouco ao sol e em seguida mergulhou-me em verniz para dar-me cor e brilho. Depois me levou ao forno para que a estrutura do meu corpo pudesse ser fortalecida e assim, aumentar minha durabilidade. Nem é necessário comentar a respeito do sofrimento que enfrentei dentro daquele forno com uma temperatura superior a 1200°. Parecia-me que aquele processo de renascimento havia chegado ao fim; o que mais desejava agora, era olhar-me num espelho e poder entender porque eu havia passado por processos mais doloridos e constrangedores, do que meus amigos. Depois eu entenderia.

Fui embrulhado cuidadosamente e levado para outro local, onde viveria mais uma etapa de minha vida. Quando ali cheguei, pude entender o porquê de tanto sofrimento. O oleiro havia me dado a forma de um vaso de honra, pois fui colocado numa sala ampla e em posição de destaque. Todos que passavam, paravam para ver a beleza esculpida em meu corpo. Para qualquer lado que eu olhasse, podia ver perfeitamente como ficara minha aparência final. O chão era de mármore e nas paredes laterais havia diversos espelhos decorativos que, além de darem maior amplitude ao ambiente, eu podia ver minha imagem refletida de forma multiplicada.

Estava deslumbrado com minha nova forma e posição. Nos dias que se seguiram,  foram chegando outros vasos para compor a decoração daquele ambiente,  até que chegou o grande dia da inauguração. Ainda não sei dizer a finalidade do prédio em que me encontro atualmente;  apenas entendo, que aqui é o salão principal. Agora já não me lembro mais do sofrimento que passei, pois estarei vivendo um período inédito de minha existência. Estou fazendo novas amizades e podendo compartilhar as novas experiências que adquirimos.

Creio que minha história fez com que você recordasse ter vivenciado situações constrangedoras, semelhantes à minha. Mas quero lembrá-lo de que somos formados do mesmo material (argila). A diferença é que nós, vasos, não temos vida em nós mesmos; mas você que está lendo esta minha história, recebeu fôlego de vida do próprio Deus.

Assim como eu me entreguei totalmente nas mãos do oleiro, faça da mesma forma;  se entregue totalmente nas mãos de Deus. Você se lembra do Profeta Jeremias quando recebeu orientação divina, para que fosse na casa do oleiro? (A Bíblia Sagrada, Jr. 18).  Ali Deus fez com que ele compreendesse todos os períodos inexplicáveis de solidão, sofrimento, desprezo, dores, incompreensões e angústia que, tanto ele quanto seu povo estava passando.

Para renascermos das cinzas e reconstruirmos uma nova vida, precisamos permanecer nas mãos do oleiro verdadeiro, que é o Deus Criador, o tempo que for necessário. Apesar de você ter livre-arbítrio e poder fugir dEle no momento que quiser, saiba que não vai valer a pena. Assim como eu suportei  todo aquele sofrimento e fui colocado num lugar de destaque, creia que Deus, como um verdadeiro oleiro, fará da mesma forma em sua vida. Suporte um pouco mais, pois o seu último estado será muito melhor que o primeiro. Quando seus sonhos se tornarem realidade, tenha certeza que todo o sofrimento que você está passando se transformará em alegria.

“Para complementar esta crônica, escolhi três vídeos do youtube (links abaixo) para você entender melhor porque Deus comparou nossa vida, como a de um vaso nas mãos do oleiro. Creia que a bênção de Deus está, e sempre estará sobre aqueles que O buscam!!!” 

 

 

 

 

 

(eu uso googles imagens)

 

 
 Sonia Valerio da Costa
(19/10/2009)

Meus pensamentos (2)

 cérebroexercitando                                 “Ler exercita nosso cérebro de forma passiva, enquanto que escrever, exercita de forma ativa.” (30/09/09)

“O exercício ativo requer maior energia de quem o realiza.” (30/09/09)

“Exercitar o físico de forma ativa, queima mais calorias, melhora a circulação sanguínea, e aumenta a elasticidade dos músculos e nervos cerebrais.” (30/09/09)

“Ler, proporciona prazer, tranquilidade, e serve até como um ótimo medicamento para combater a insônia.” (30/09/09)

“Escrever, proporciona o êxtase de criar o inédito gerado a partir do conhecimento depositado em nosso útero cerebral.” (30/09/09)

“O prazer de ler é sentido durante toda a leitura; o de escrever é gradativo até chegar ao êxtase do ponto final.” (30/09/09)

“Ninguém escreve sem antes ter adquirido um considerável conhecimento através da leitura; portanto desligue o twitter e leia mais.” (30/09/09)

“Difícil é transcrever os insights que recebemos. Com trabalho, perseverança e criatividade, a criança acaba nascendo.” (09/10/2009)

“A vida me ensinou que silenciar é uma atitude sábia; além de evitar dissabores, somos despertados a fazermos um feedback.” (09/10/2009)

“Viva o hoje, pois o passado não volta…. se voltar já não será da mesma maneira…. e o futuro não nos pertence!!! (11/10/2009)

Sonia Valerio da Costa
(17/10/2009)
 

Você poderá gostar também de: Pensamentos evangélicos

Como ser um bom twitteiro…

No mundo virtual existe espaço suficiente para divulgarmos nossos pensamentos e ações. O importante é sabermos dosar pausadamente nossas postagens, para que ninguém se enfade de nossas palavras.

Quando falamos demais, terminamos “falando sozinhos”. Entre os twitteiros, essa atitude pode significar uma queda bastante expressiva no número de nossos followers.

Sonia Valerio da Costa

11/10/2009

Está decidido: serei twitteira!

 (Eu uso Google Imagens) 

Quando a janela se abriu, que frustração!!!… Uma baleia feliz, afundando em alto mar; era a primeira vez que isso me acontecia.  Apesar do impacto visual, fechei e abri novamente. O cenário já havia mudado e então pude navegar através dos perfis dos twitteiros e descobri muita informação interessante, postadas por pessoas, também interessantes. Num primeiro momento selecionei algumas pessoas, sites e até programas que me interessaram.

Com o passar dos dias fui excluindo alguns e acrescentando outros e continuarei procedendo dessa maneira, até formar um grupo que possa me trazer contribuições suficientes para desenvolver minhas reflexões. 

Sejamos realistas; nós, seres humanos, curiosos natos, estamos sempre à procura de novidades e desejosos de viver novas experiências. Eu, em especial, devido a minha profissão, quero e preciso sempre entender de tudo, um pouco. 

Neste novo programa de comunicação, a ordem é “siga-me”, onde todos os participantes acreditam ter algo importante para postar publicamente. Na realidade, sabemos que isto não é bem assim. Nosso tempo é escasso e portanto necessitamos selecionar criteriosamente a quem seguiremos.  O inverso foge ao nosso controle. Apesar de podermos bloquear o livre acesso, não dispomos de nenhum critério para escolher quem deverão ou não, serem nossos seguidores.

Quando decidi twittar, senti o peso da responsabilidade que assumi, e esse foi o ponto crucial que me inspirou a escrever sobre esse assunto. 140 caracteres são suficientes para transparecer quem somos, o que fazemos, o que pensamos e onde queremos chegar. Dessa forma, quando postamos alguma informação, precisamos nos preocupar mais com nossos followers do que com nossos followings.

Tanto no mundo virtual, quanto no real, querendo ou não, deixaremos rastros que serão seguidos por alguém, que talvez nunca venhamos conhecer pessoalmente. O importante é assumirmos inteira responsabilidade por nossas atitudes e/ou palavras, porque serão como sementes lançadas em diversos tipos de terra (corpo físico e/ou espiritual) que, se forem produtivas, um dia darão frutos e servirão de alimento para as próximas gerações.

 “…o que semeia justiça terá recompensa verdadeira.” Pv. 11:18b

“…um é o que semeia, e outro o que ceifa.” Jo. 4:37

“…um homem sempre colherá justamente o produto da semente que ele plantou! Se ele plantar a fim de agradar aos seus próprios desejos maus, estará plantando as sementes do mal e logicamente fará uma colheita de ruína espiritual e morte; mas se plantar as coisas boas do Espírito, ele colherá a vida eterna que o Espírito Santo lhe dá.” Gál. 6:7b-8

Estamos plantando hoje, o que o mundo colherá amanhã! Com certeza, nossos descendentes irão saborear dos frutos cujas sementes estão sendo semeadas hoje.

Sonia Valerio da Costa (11/10/2009)

Folow me on Twitter

Meus pensamentos (1)

pensarvida“Nossas expressões sempre serão fundamentadas em: vivência, convivência, experiência, observância, humor e disposição física.” (03/10/2009)

“O amor só existe quando se acolhe o outro como um todo. Quando nosso acolhimento começa a se fragmentar, o amor evapora.” (03/10/2009)

“Há quem busque a liberdade a qualquer custo e acaba aprisionando o seu espírito”. (29/09/2009)

“Não temos o direito de buscar um estado de liberdade, se isto implicar em prisão de outrem”. (29/09/2009)

“…. apenas planejarei meu futuro sob a inspiração divina, para que eu possa acertar cada vez mais e sofrer cada vez menos” (28/09/2009)

“Decidi ser feliz! Deletarei as tristezas vividas até um segundo atrás e não me angustiarei com o que poderá acontecer no próximo segundo” (28/09/2009)

“Cuidado! Quem tem a consciência pesada, poderá ter atitudes impensadas” (27/09/200)

“Facilmente fugimos da realidade, quando vivemos apenas de saudades ou de sonhos… fugir do momento presente, nos torna improdutivos” (27/09/2009)

“A felicidade que desejamos, independe das circunstâncias. Ela só poderá ser encontrada dentro de nós mesmos!!! (26/09/2009)

“Utilize o dia para agir… e a noite para refletir sobre suas ações!!!” (24/09/2009)

Sonia Valerio da Costa

11/10/2009