Início > Artigos > Twittar: seguir ou perseguir?

Twittar: seguir ou perseguir?


 

 (Google Imagens)

Simbolicamente, este tem sido um dos verbos mais conjugados na web, principalmente quando acompanhado pelo verbo “follow” em sua forma imperativa.  Quando twittamos, nosso principal objetivo é despertar em alguém o interesse pelo que estamos fazendo de interessante, a ponto de nos seguir diariamente. A recíproca também é verdadeira, porque nós estaremos seguindo também, apenas aqueles que despertarem nosso interesse sobre o trabalho que desenvolvem, por onde andam e também o que fazem. Isto significa que seguiremos apenas os twitteiros que nos são afins.

Mas quero que você reflita comigo, a respeito de qual seria nossa reação, se fôssemos coagidos a seguir alguém que não conhecêssemos e, pior ainda, se essa pessoa nos fosse totalmente inexpressiva no que tange aos nossos interesses pessoais!! Com certeza, nossa resposta seria bastante objetiva, do tipo: “Quem é você para que eu te siga? Não te conheço e pelo que eu saiba nossos caminhos nunca se cruzaram; como você pode me dar uma ordem dessas, sem saber a respeito de meus compromissos e de minhas atividades profissionais?!! Bem, deixa para lá… creio que isso só pode ser uma brincadeira… portanto, com licença, que eu preciso trabalhar”.  

Então você voltaria às suas atividades, porém começaria a raciocinar a respeito daquela atitude tão singular: “Quem seria aquela pessoa, que sem me conhecer, teve tamanha ousadia em dar-me uma ordem dessas?!!!” Possivelmente seus pensamentos começariam a ser despertados pela curiosidade, proporcionando até certo arrependimento, por imaginar que pudesse ter perdido uma ótima oportunidade de conhecer alguém interessante.

Qualquer ser humano que recebesse uma ordem dessas, com certeza daria uma resposta semelhante a que foi descrita acima. No entanto, “eu recebi essa ordem… e obedeci. Foi algo inexplicável que aconteceu comigo; aquela palavra de ordem, foi mais forte que minhas razões, e por isso não pude e nem tive tempo de contestá-la; simplesmente segui quem me chamava”…..

Penso que esse teria sido o provável depoimento de Levi, caso fosse questionado por sua atitude de obedecer à ordem de Jesus, quando lhe disse “Segue-me” (Lc.5, 27b). No momento que Jesus passou e lhe deu essa ordem, Levi estava trabalhando. Jesus ainda era desconhecido, pois seu Ministério terreno estava apenas começando. Com certeza, Levi acertou em aceitar aquele convite, pois além de ter sido nomeado como um dos discípulos do Mestre, teve a oportunidade de presenciar ao vivo, a realização de milagres, curas e libertação dos oprimidos que se encontravam excluídos da sociedade.

Por aqueles dias, além de Levi, mais onze homens receberam o mesmo chamado e todos aceitaram. Fico analisando, que aqueles que seguiram Jesus constantemente, foram os que vivenciaram os maiores milagres em suas próprias vidas; mais tarde puderam registrar suas experiências, nos deixando conselhos e orientações espirituais de uma vida de plena comunhão com Deus. Dentre os que seguiram Jesus de uma forma mais esporádica, talvez apenas como observadores, um traiu Jesus e os demais ficaram apenas na lembrança de seus companheiros.

Depois que Jesus terminou sua missão aqui na terra, surgiu outro homem decidido a seguir Jesus. Conhecendo suas verdadeiras intenções, Jesus apresentou-se a ele e lhe disse: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” Esse homem, que depois passou a ser conhecido como Paulo, o Apóstolo Paulo, teve sua personalidade transformada radicalmente pelo poder e autoridade das palavras de Jesus. Dali em diante ele entendeu o que era verdadeiramente “seguir a Jesus”. Seguiu-O até o final de sua vida, nos deixando registrados, suas experiências e conselhos doutrinários, que ele mesmo disse ter recebido do próprio Pai Celestial (Deus).

Neste mundo virtual, escolhemos criteriosamente a quem seguiremos. Mas, até quando? Chegará o momento que aquele determinado twitteiro que estamos seguindo, deixará o mundo virtual e talvez nem cheguemos a saber de quem se tratava na vida real. Então, porque não seguir Alguém que seja eterno, e que por ser eterno, nos oferece segurança e sempre terá algo novo a nos acrescentar.  Ele primeiramente se fez conhecido entre nós, através de Jesus Cristo O Seu Filho, para através dEle, em algum momento da trajetória de nossa vida, nos dar a mesma ordem que deu aos seus discípulos: “siga-me”. Aceite essa ordem, de bom grado, pois eu também já a recebi e passei a segui-lo.

Desde então, afirmo que minha vida tem sido permeada de alegrias de alma e de espírito, pois não estou seguindo os passos de um Mestre qualquer, mas os do próprio Deus representado na pessoa de seu Filho Jesus Cristo. Sei também, que somente com Ele poderei viver eternamente. Portanto, aceite você também este convite “Siga-me” em:  @JesusCristo.

Obs.: este link só poderá ser acessado no mundo espiritual.

Palavras de Jesus: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.” (Jo. 8, 12)

Sonia Valerio da Costa
26/09/2009
Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: